Tag: pensamentos

POR QUE NOS APAIXONAMOS?

por que nos apaixonamos?

Chegamos em um momento da vida em que percebemos que realmente, como já dizia o Tom, ninguém é feliz sozinho. O ser humano é uma criatura realmente carente e imperfeita e, afim de chegar à uma totalidade, busca preencher-se com os demais.

Nessa busca, formamos diversos laços. Aqueles, que vão além do sanguíneo, os laços da alma. Fazemos amigos porque necessitamos de seu companheirismo para nos sentirmos completos. Depois, temos uma sede inegável de “mais”. A partir disso, criamos um modelo, um arquétipo perfeito de ser humano que venha a atender todas as nossas necessidades, aqueles: geralmente belos, sorridentes e acolhedores. Depois, acabamos por tropeçar em alguém que, aos nossos olhos, encaixa-se perfeitamente naquele padrão. É o que é chamado de paixão.

Não nos apaixonamos pela personalidade daquela pessoa, e sim pelo que achamos que ela é. Tanto que, muitas vezes, vemos diversos relacionamentos findando-se com o passar de poucos meses – às vezes nem isso. É o fim do ciclo da paixão. É quando percebemos que aquela pessoa, na verdade, não é a perfeição que imaginamos, mas sim, um ser falho, como nós mesmos.

Meu lado mais cético diria também que paixão é sinônimo de ilusão. Ora, meu caro, outrossim, não quero dizer que ela seja algo ruim. Frequentemente é maravilhoso poder deliciar-se com a doce ilusão do estar apaixonado.

Da mesma forma, podemos encontrar na paixão um solo fértil para a semente do amor. Quando passamos a reconhecer a humanidade naturalmente falha daquele ser que está conosco, quando enxergamos facilmente todos os defeitos que constituem aquela pessoa e fazem dela singular, é quando realmente começamos a amá-la.

O amor está quando temos todos os motivos para ir embora, e decidimos ficar. Talvez seja por isso que o amor esteja acima da razão. Nunca encontrei uma resposta que fosse capaz de abarcar tamanha complexidade. Nem Freud explica, quem dirá eu, rs. O que posso afirmar-lhe, hoje, é o seguinte: ninguém ama pelas qualidades ou por qualquer fator que se possa clarificar. Ama-se pela leveza ou desconcerto que o outro provoca, pelo olhar que se encontra sem perceber, pela doçura contida no toque, pelo desejo de manter-se por perto, do querer bem, do fazer bem. Ama-se por motivos irracionais. Ama-se simplesmente por amar.


Gente, esse texto foi enviado pela minha amiga Letícia Sobreira. Eu adorei o texto! E vocês?