Tag: OLHAR

A DECEPÇÃO ESTÁ NO OLHAR

Quando eu era pequeno, olhei uma cena traumatizante, um homem que, por algum motivo que desconheço, tentaram matar à tiro. Lembro que não consegui expor nenhuma reação diferente, só fiquei parado sem entender muito bem. No fim, descobri que o tiro acertou um de seus olhos e que ele ficaria bem. Foi nesse olhar que percebi que as pessoas são capazes de ferir umas as outras verdadeiramente. 

Quando eu estava no fundamental, estudei em uma escola pública gigantesca. Quando passei para a sexta série, a secretaria perdeu os meus dados, erro que me fez ficar sem vaga na escola – imaginem o susto que levei quando percebi que meu nome não estava em nenhuma das turmas – mas eles logo “retificaram” o problema. Diante disso, fui parar em uma turma chamada “6º G”. Essa turma era composta por alunos que estavam extremamente fora de faixa, tanto que somente 3 pessoas, incluindo eu, não seriam realocadas para o turno da noite no próximo ano. Com os dias, fui percebendo que as brincadeiras deles eram totalmente diferentes, olhava ao meu redor e, praticamente, não via o mundo com o qual estava acostumado. Eram gigantes, e eles produziram sobre mim visões: eu vi um garoto quebrando um vidro de droga na sala e, pela primeira vez, uma professora extremamente passiva em meio ao cheiro daquilo que tomava conta de cada canto da sala, ela mal levantava a cabeça para falar. Eu vi professor sendo humilhado com piadas sem graças sobre ele. Vi aluna se oferecendo para o professor, que levava em sua pasta DVDs piratas de vídeos adultos, eu vi colegas da minha turma traindo e se relacionando sexualmente atrás da quadra da escola. Pela primeira vez, eu olhei para a minha escola e percebi que lá não era um lugar tão seguro e divertido como eu sempre acreditei

Por volta dos meus quatorze anos de idade, vi uma mensagem que mudaria mais uma vez a minha forma de olhar as pessoas. O pai de um dos meus melhores amigos, com o qual passava muitos dos meus fins de semana na casa dele, simplesmente resolveu que tinha a liberdade suficiente para me mandar mensagens no “MSN” pedindo fotos sem camisa e dizendo o quanto eu estava “bonito”. Tive que escolher entre contar para todo mundo ou, simplesmente, me afastar sem explicar o motivo, obviamente fiquei com a segunda opção por não ter coragem de chegar para o meu amigo e dizer: olha, teu pai anda pedindo fotos minhas. Olhar aquelas mensagens me fez perceber que, como minha vó sempre diz, coração de homem é terra que ninguém pisa. 

Sempre me martirizei muito por olhar o que não queria e ter de alguma forma minha visão de mundo transformada. Acho que isso acontece com quase todos, certo? Algo do tipo, eu não deveria ter lido isso. Eu nunca deveria ter ouvido isso ou até mesmo eu nunca deveria ter visto isso. Mas, pensando bem, seria impossível não passar por um mundo se vê-lo, talvez a decepção esteja no olhar, talvez a decepção esteja em nós. Recentemente, li uma frase que dizia que, 

Se  olho para mim, me deprimo. Quando olho para os outros, me iludo. Quando olho para as circunstâncias, me desencorajo. Mas quando olho para Cristo, me completo.  – Steven Lawson

Tornei-me uma pessoas que amava conhecer os diversos mundos que existem em cada ser humano que me cercava, mas ao mesmo tempo não queria me relacionar com eles, não queria olhar esses mundos e continuar me decepcionando tantas e tantas outras vezes. E, durante um longo processo, tive que aprender que “só se vê bem com o coração”.  Finalmente, pude olhar para uma verdade: a decepção verdadeiramente está em nós, porque somos imperfeitos e incompletos, mas quando consigo olhar com o mesmo olhar de perdão e amor que Cristo olhou para mim, finalmente me sinto completo.