Tag: blog qualquer coisa vira lata

BOOKTAG: 50% – LIVROS LIDOS NO PRIMEIRO SEMESTRE /2016

booktag - 50 por cento blog qualquer coisa vira lataOlá, Vira Latas! Vamos responder uma tag hoje? Como estamos no meio do ano, nada melhor do que falarmos um pouco sobre as nossas leituras do início do ano até agora. A tag se chama 50% e foi criada pelo canal  ReadLikeWildFire, mas foi traduzida aqui para o Brasil pelo canal Geek Freak. A tag consiste em analisar alguns livros lidos até agora de acordo com alguns tópicos. Vamos as minhas respostas.

  1. O melhor livro que você leu até agora em 2016:

Essa pergunta foi complicada porque eu li vários livros que eu adorei, MAS se teve um que eu adorei a forma que foi escrita, pois a escritora saiu da sua linha de conforto e arrasou, foi O Amor nos Tempos do Ouro, da Marina Carvalho.

  1. A melhor continuação que você leu até agora em 2016:

Sem dúvidas foi Destinado, da Carina Rissi. Amei ver todas as confusões da série Perdida pelo olhar do charmosíssimo Ian Clark.

  1. Algum lançamento do primeiro semestre que você ainda não leu, mas quer muito.

São tantos lançamentos que a falta de dinheiro não me permitiu comprar ainda. Mas vamos escolher um, e sim vou escolher Confissões de Uma Garota Excluída, Mal Amada e (um pouco) Dramática, da Thalita Rebouças.

  1. O livro mais aguardado do segundo semestre

Mais uma vez eu posso responder vários, mas irei escolher aquele que está na pré-venda e que eu estou maluca para ler. Estou me referindo ao livro Princesa das Águas, da Paula Pimenta.

  1. O livro que mais te decepcionou esse ano

Sinceramente… Acho que nenhum livro me decepcionou. Não que eu me lembre.

  1. O livro que mais te surpreendeu esse ano.

Um livro que me surpreendeu positivamente foi Aonde Quer Que Eu Vá, da Beatriz Cortes. Chorei litros.

  1. Novo autor favorito (que lançou seu primeiro livro nesse semestre, ou que você conheceu recentemente).

Comecei a ler os livros da Gisele Souza esse ano e estou adorando as aventuras da família Petri e da família Bonatti.

  1. A sua quedinha por personagem fictício mais recente.

Meu último crush literário foi o Josh do livro Isla e o Final Feliz.

  1. Seu personagem favorito mais recente.

A minha personagem favorita é a Cécile Lavigne de Amor Nos Tempos do Ouro.

  1. Um livro que te fez chorar nesse primeiro semestre.

É claro que esse título só poderia ser dado ao Aonde Quer Que Eu Vá, da Beatriz Cortes.

  1. Um livro que te deixou feliz nesse primeiro semestre.

Isla e o Final Feliz, da Stephanie Perkins. É um livro tão, mais tão fofo!

  1. Melhor adaptação cinematográfica de um livro que você assistiu até agora, em 2016

Como Eu Era Antes de Você. Amei o filme!

  1. Sua resenha favorita desse primeiro semestre (escrita ou em vídeo).

Aonde Quer Que Eu Vá, da Beatriz Cortes, foi a resenha que mais mexeu comigo.

  1. O livro mais bonito que você comprou ou ganhou esse ano

Blackbird, da Anna Carey. As folhas são rosa.

  1. Quais livros você precisa ou quer muito ler até o final do ano?

Vou colocar só alguns porque sempre surgirão novos na lista. Mas os que eu lembro agora são Princesa das Águas, de Confissões de Uma Garota Excluída, Mal Amada e (um pouco) Dramática. A Coroa, A Menina dos Olhos Molhados – todos que a Paula Pimenta lançar – e a Mentira Perfeita.

Espero que vocês tenham gostado da tag e compartilhem com a gente quais livros vocês leram e quais vocês estão loucos para ler.

MANEIRAS PARA SERMOS MAIS FELIZES

03 maneiras para sermos mais felizes - qualquer coisa vira lataOi, Vira Lata! Sabe aquela coisinha que mais buscamos na vida? Sim, sermos felizes! Em meus vinte e dois anos eu já posso afirmar com toda minha certeza de que não existe uma receita para a felicidade. Nem um padrão. Cada um sente e deseja a felicidade de maneiras totalmente distintas. Quantas coisa que nos faziam felizes antes já não nos tiram nem um sorrisinho bobo no canto da boca? Somos seres volúveis e indecisos, por isso o que já temos não nos basta, queremos sempre o improvável e o impossível. Mas saibam que algumas pequenas mudanças podem nos trazer um pouco mais de paz interior e aquela sensação de felicidade. Por isso resolvi contas algumas coisas que mudei em mim que me fazem me sentir melhor comigo e com o mundo que me cerca.

NÃO DEIXAR AS PESSOAS DEFINIREM QUEM REALMENTE SOU

Eu sempre fui do tipo que dizia que não me importava sobre o que as pessoas tinham a dizer de mim, mas isso sempre foi uma falácia. Na verdade eu sempre me importei muito mais do que deveria. Eu só queria parecer forte, mas por dentro tudo me fazia muito mal. Ouvir as pessoas dizer o que eu não era e/ou que eu deveria ser só fazia com que eu me perdesse ainda mais. Sabe aquele ditado: um mentira dita várias vezes torna-se uma verdade? O risco de você sempre ouvir as pessoas te definirem é você acreditar naquilo que elas querem que você seja. Mas as palavras não pode derrubá-lo em um mundo fantasiado e definido por uma pessoa que não seja você. Acredite, seja você e isso te libertará. Por mais que isso possa parecer clichê para alguns, mas para outros, no entanto, é uma luta diária. Quem é você? E se você não vai tentar descobrir “hoje, então, quando?” ( Olá, Emma)

EU NÃO SOU O QUE VISTO

Depois que você aceita quem você realmente é tudo em você terá sentido completo. Eu cresci com amigos me dizendo que eu me visto “muito certinho”, “muito normalzinho” e “sem estilo”. E isso também me deixava para baixo, porque ao mesmo tempo que eu queria ser igual a eles, eu não me via vestido como eles. Tá, eu nunca ousei usar nada fora dos meus padrões, mas eu também nunca me senti desconfortável com as minhas escolhas, e isso não é o que realmente importa? Eu me sentir bem? Se eu não me amo do jeitinho que eu sou nunca poderei amar outras pessoas do jeitinho que elas são. FATO! Por isso, te digo, continuei usando o que te deixa confortável, o mundo já é bem desconfortável por ele mesmo.

ENCONTRAR UMA MANEIRA DE DESABAFAR

 Como eu sempre digo: a vida não é fácil e nunca nos foi prometido que ela seria. E às vezes ela só descansa quando vê lágrima, dor e sofrimento. Mas não se preocupe, quando o mundo cair ao nosso redor ainda teremos força e/ou outras forças( falo de fé, independente de qual seja) para nos ajudar a nos levantar. Entretanto, uma coisinha que me ajuda muito em tempos sombrios é poder desabafar de alguma maneira. Seja por um amigo, escrevendo textos para o blog ( um dos motivos do Qualquer Coisa Vira Lata existir), conversando com as estrelas – não me julguem, eu sou mais normal do que vocês, certeza! Hahaha – São tantas formas. O negócio é você colocar isso tudo que está te amargurando para fora, sabe? Chorar não é sinal de fraqueza, é sinal de sentimento. Coisa que só os fortes têm.

Enfim, fiz esse texto só pra te lembrar mais uma vez que todos nós temos que sentir a necessidade de sermos felizes. Gente, é tão bom. E é viciante! Tipo, eu só acho que  “ser feliz” deveria ser decretado por lei. E até que se fosse ilegal, deveríamos sermos fora da lei. Todos nós, juntos.

VAMOS DE VIRADA?

CAPA BLOG TESTE

Vamos ter uma conversa final, não é mesmo? Faz-se necessário esse último texto aqui no blog. Bom, se você chegou aqui pela primeira vez, seja bem vindo, e continue lendo, talvez haja algo que te interesse. E se você já nos acompanha há algum tempo, muito obrigado!

Muitas coisas aconteceram durante esse ano, como sempre acontece em todos os outros, mas algumas parecem que foram de tirar do fôlego. Eu particularmente me senti sufocados em alguns momentos, me senti feliz em tantos outros, com raiva em alguns também, mas aqui estou, continuo de pé e de queixo erguido. Estamos fazendo quase dez meses que o qualquercoisaviralata.com.br está no ar e foi tempo suficiente para conversamos acerca de algumas coisas da vida. Começamos falando sobre como não ser um ser hospedeiro (Um ser não hospedeiro), uma pessoa que sua felicidade é dependente do que as pessoas acham dela ou do que as pessoas esperam que ela seja. E a conversa se prolongou quando falamos de acreditar em si mesmo ( Imagine uma nova história para sua vida e acredite nela), onde desistir e não ter fé não é uma opção. E chegamos a conclusão de que nós, mais do que ninguém, somos responsáveis pelas nossas histórias.

Nos deparamos também com uma das questões mais difícil de responder: qual o sentido da vida? E acredito que ainda não encontramos a resposta para isso. E foi de uma hora para outra que descobrimos que simplesmente amadurecemos ( Entre o atraso e a vida: o eu que habito) , isso sim é a prova que existe magia, é tipo, puff! E você já não é mais o mesmo, e só a essência do que você foi é capaz de continuar com você. Demos uma volta e meia no sentido da vida e entendemos que ajudar as outras pessoas a serem felizes, nos ajuda a ser feliz também. Se metade de nós é composta pelas outras pessoas, eu prefiro que essa metade seja um oceano de felicidade.

Ei, não podemos esquecer daquela nossa crise existencial ( Entre crises e crises: descubra o que te faz feliz). Nossa, o que foi isso? Eu não tenho uma pílula que resolverá seus problemas, mas eu posso te dizer uma coisa: – MELHORE! Mantenha a calma, relaxe e resolva ser feliz. É fácil? Claro que não. Mas é impossível? Também não. E eu continuei dizendo: se for pra sumir, suma! Suma de tudo que está te confundido. Daquilo que está tirando a tua paz. Se for pra sumir, suma mesmo. Entram dias e saem dias, entram meses e saem meses, entram anos e saem anos. E quantos vezes você parou para sumir? – E depois de sumirmos um pouco para aquilo que nos afundam no mar negro, chegamos a conclusão de que sempre haverá chance para um novo recomeço.

ufa, quanta coisa já vivemos. Até que cansamos um pouco de tudo isso, colocamos os pés no chão molhado da chuva e encontramos nossa miudeza (Você perdeu sua miudeza?). As coisas simples sempre nos fascinaram! E quando realmente nos sentimos bem conosco, desapegar das tristezas e daquilo que não nos faz feliz se tornou um brincadeira e não uma tarefa difícil. Já quando as coisas nos fazem nos sentir infinito, só há uma regra para nós: se apega, sim!

Aprendemos que o destino tem vários caminhos, que só sentimos faltas das coisas que deixamos partir, e como expulsar os dementadores da nossa vida.  E também que fugir dos problemas não adianta nada. E outras 22 coisas que aprendi. E como somos muito literários, falamos sobre o que os livros nos ensinam e o que praticamos.

E por final, chegamos a conclusão de que as estrelas nos permitem errar.  E isso é ótimo!

Agradeço a todos vocês por terem me ajudado a ter esse ano maravilhoso. E que tanto me fortaleceu para seguir com os meus sonhos. Ser feliz é agora a nossa única opção!

Beijos e abraços, Alef J Marinho!