SÓ SENTIMOS FALTA QUANDO DEIXAMOS IR

tumblr_lpor2hypGD1qmzqzzo1_500_large

Eu pensei que poderia viver sozinho em um mundo que fosse só meu. Algo impenetrável para as outras pessoas. Mas e se eu me perdesse sozinho? Eu juro que pensei que fosse bom o suficiente para mim mesmo. Acreditei que tudo que eu fazia era o mais certo, e tudo que mais gostava era o mais legal. Pensei que o meu céu fosse mais azul, a minha grama mais verde e que minhas palavras sempre fossem as verdades do mundo. E tudo isso foi por medo, pois querer viver em seu próprio mundo não quer dizer que você seja valente, mas que você tem medo o suficiente para não permitir que as pessoas deixem marcas em você.

Eu comecei a perceber todas essas coisas quando senti falta de outros mundos, de outras possibilidades e de outras histórias que não fossem resumidas a mim. Eu não sei se você já se perguntou se alguém se lembrou de você nesses últimos sete dias ou até mesmo nesses últimos quinze, trinta… Eu fico pensando que isso é o mais importantes. Que essa é a única coisa que conseguimos deixar depois de tudo que fazemos aqui. As marcas, sabe? Estou falando das marcas que deixamos na outras pessoas e que fazem elas se recordarem de nós. Essa é a única coisa que se propaga depois do fim.

E se você parar para pensar  no intrínseco das marcas você consegue enxergar que elas trazem em sua essência a existência do que somos. E você só as adquirem quando se permite ser humano. Você só as adquirem quando ama o outro, quando chora pelo outro. Você as adquirem quando passa pelo e outro e esse também o atravessa. E eu só senti falta de tudo isso quando deixei o que era importante partir. Mas dizem por ai que só sentimos falta da luz quando estamos no escuro, e só sentimos falta do sol quando começa a nevar. O que estou tentando dizer é que eu não consigo mais viver em um mundo meu. Eu já não me basto mais.

Alef Jordi
Alef Jordi

Estudante de Letras, criador do blog Qualquer Coisa Vira-lata, Potterhead assumido e um sonhador sem limites. Sonha em publicar um livro antes dos 30. E ama promover ações sociais.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.