PRECISO SER FELIZ TODOS OS DIAS?

Quem diria que um dia pensei que o mais difícil sobre o verbo SER seria sua conjugação. Sempre me confundi com tantos tempos, modos e irregularidades que uma palavra pode apresentar. Doce engano de uma mente jovem, imatura e sem nenhuma preocupação, a não ser a preocupação de viver infinitamente o que sempre foi efêmero demais. Hoje, ontem e há alguns dias atrás, percebi que o mais difícil de tudo isso é literalmente ser.

Logo menores somos levados a imaginar o que queremos ser quando crescer – qual o nosso problema, se não sabemos nem se somos o que somos e/ou o que dizem/achamos que somos. Como vamos saber o que queremos ser? Uffa!  – Até esse pensamento cansou! – Acho que a resposta mais fácil é dizer: quero ser grande. Afinal, é o que acontece com todos.

Alguns dizem que querem ser felizes quando crescer. E agora estou tentando imaginar se isso realmente é possível. Bom, se isso realmente fosse capaz de acontecer, acho que esse texto ou até mesmo esse blog não precisaria existir, afinal, falamos aqui sobre os seres mais problemáticos, mutáveis e insensivelmente sensíveis que conheço. Sim, não sou capaz de imaginar uma pessoa feliz, e não me tomem como pessimista, mas como realista. Ora, também não disse que alguém não possa ser feliz. Deixa eu explicar esse parágrafo melhor.

Ser feliz é como utilizar os verbos de ligação: eu sou feliz, eu estou feliz, eu continuo feliz, eu pareço feliz, fico feliz, eu me torno feliz. Uma mudança de estado frequente, uma montanha russa chamada dia a dia, pessoas, família, amor, amizades, mundo…Enfim.

Hoje me sinto mais leve por me permitir não ser só feliz, pois minha maior preocupação do momento é estar bem, tranquilo, de boas… Minha maior preocupação é saber que a vida me dará sempre oportunidades para utilizar todos os verbos de ligação possíveis quando o assunto se tratar de felicidade. É saber que estar de boas é ter a certeza que a escalada, por mais que seja clichê, sempre será tão interessante quanto o topo da montanha. Afinal, quem gosta de chegar ao final da trilha e ter que voltar? O divertido mesmo é tudo que ela nos proporciona no caminho.

E ao final de tudo, vou perseguindo minha felicidade, que ora encontro nas coisas ora encontro nas pessoas e nos momentos. E quando não a encontrar, estarei de boa, procurando algo que me ligue até ela… Ou não.

Alef Jordi
Alef Jordi

Estudante de Letras, criador do blog Qualquer Coisa Vira-lata, Potterhead assumido e um sonhador sem limites. Sonha em publicar um livro antes dos 30. E ama promover ações sociais.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.