GIRLBOSS : A VISÃO DE QUEM NÃO LEU O LIVRO

Recentemente o Netflix lançou mais uma de suas séries originais, a bola da vez é GirlBoss. A série é inspirada no livro que leva o nome da série. E conta a história real da Sophia Amoruso:

Sophia Amoruso passou a adolescência viajando de carona, furtando em lojas e revirando caçambas de lixo. Aos 22 anos ela havia se conformado em ter um emprego, mas ainda estava sem grana, sem rumo e fazendo um trabalho medíocre que assumiu por causa do seguro-saúde. Foi aí que Sophia decidiu começar a vender roupas de brechó no eBay. Oito anos depois, ela é a fundadora, CEO e diretora criativa da Nasty Gal, uma loja virtual de mais de 100 milhões de dólares, com mais de 350 funcionários. Além da história de Sophia, o livro cobre vários outros assuntos e prova que ser bem-sucedido não tem nada a ver com a sua popularidade; o sucesso tem mais a ver com confiar nos seus instintos e seguir a sua intuição. Uma história inspiradora para qualquer pessoa em busca do seu próprio caminho para o sucesso.

Confesso que antes da série ser lançada eu não sabia da existência do livro, por isso tudo que irei falar é minha experiência com a série.

Enquanto eu assistia, vi vários posts que faziam críticas ruins. Grande parte delas falavam sobre a antipatia passada pela personagem principal, a Sophia Amoruso, interpretada pela Britt Robertson. E também sobre a superficialidade da série em relação com o livro.

Confesso que em muitos  momentos tive vontade de jogar um copo de água na Sophia, pois ela tem uma forte tendência a ser egoísta, egocêntrica, arrogante, irritante e um tanto idiota. Mas vi muito da nossa geração sendo retratada ali. Uma geração que tem uma garra incrível de ir em frente, de ter novas ideias, de empreender na internet, mas com essa mesma garra passa por cima das pessoas para chegar ao topo.

A série ora é divertida, ora entediante. Uma fotografia bem legal. Uma interpretação aceitável. Tem o RuPal que só aparece pra trazer um ar cômico ora ou outra. Tem algumas lições de moral intrínsecas. E desperta um desejo incrível de querer empreender também. Afinal, ser dono do próprio negócio de sucesso na internet seria nosso sonho?

Vale a pena assistir? Vale, sim.

E qual é a opinião de vocês?

Alef Jordi
Alef Jordi

Estudante de Letras, criador do blog Qualquer Coisa Vira-lata, Potterhead assumido e um sonhador sem limites. Sonha em publicar um livro antes dos 30. E ama promover ações sociais.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *