ACABOU! HOUVE MUDANÇAS…

FOTO: reprodução
FOTO: reprodução

Coloquei os últimos itens que faltavam na mala e olhei para o quarto que eu estava deixando para trás. Em cima da mesinha tinha aquela caixinha de joias, que continha uma bailarina. Foi você quem me deu, meu ex-amor. Lembra que você dizia que amava me ver dançar? Lembra que você dizia amar o meu jeito? O meu cabelo, que na época era imenso. Lembra que você dizia que iríamos ficar velhinhos e juntos para sempre? Pena que tudo não passou de mentiras.

Eu te amei me entreguei de corpo e alma. Acreditei que realmente iríamos ficar eternamente juntos. Te amei desde a primeira vez que te vi naquele ponto de ônibus. Seus olhos castanhos escuros, seus fones de ouvido que me deixavam morrendo de vontade de saber o que tanto você escutava. Ficamos juntos durante um bom tempo. Mas acho que você nunca acreditou que seria para sempre. Trocou-me por outra. Não a culpo. Espero que sejam felizes. Mas não me peça para te cumprimentar como se fôssemos velhos amigos. Acabou!

Olho para o foto da minha formatura e penso em você mamãe. Desculpa se a sua filha não quis trabalhar no escritório de seus amigos. Toda aquela sujeira e falso moralismo me dar ânsia de vômito. Não vou pegar os meus cinco anos de aprendizado e utilizar em algo que não acredito. Desculpa, mas não serei mais a sua marionete. Acabou!

E você papai? Sua vontade deve ser de me prender. Eu “destruí” a sua família. Já não basta não aceitar o meu curso da faculdade, uma advogada. Você sempre achou que isso era coisa apenas de menino. Agora eu destruí todo o resto dos seus sonhos. NÃO sou e NUNCA serei a moça bela, recatada e do lar. Não vou aceitar essa vida de submissão que toma conta da mamãe há tantos anos. Não sei como ela ainda aceita essa vida, mas eu não aceito. Acabou!

Fecho a minha mala. Conto meu dinheiro. Aquele mesmo que eu consegui trabalhando em festas infantis, supermercados, meu estágio. Eu sabia que mais cedo ou mais tarde ele seria útil. Vou embora dessa vida vazia que tomou conta de mim durante vinte e dois anos da minha vida. Vou em busca de um lugar que esteja de acordo com a minha forma de pensar. Onde eu possa ajudar aos outros com a minha profissão. Onde eu possa dançar livremente sem que você apareça e pense que faço aquilo por sua causa. Pois não faço. Um lugar onde eu possa lutar e mostrar que machistas não passarão. Acho que já dei o primeiro passo com você, papai. Ainda dar tempo, mamãe. Um lugar onde eu possa ser eu, sem me importar com o fato de ser mulher. Tchau vida vazia. Acabou!

Samila Bezerra
Samila Bezerra

Estudante de Arquitetura na Universidade Federal de Alagoas, é apaixonada por livros e quer conhecer o mundo…

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *