TAL QUÍMICA – CAP.4

tal químicaEla vai chegar
Não sabe o que é ruim
Eu vou te ouvir chorar
Mas vai estar perto de mim
Vou sempre te escutar
Se não souber o que vestir
Não deixe de sonhar
Te mostrarei aonde ir
Pra viver bem é só correr na chuva
E sentir seu corpo te lembrar quem é você
Então confie em mim porque
Eu não vou deixar nada dar errado
Eu vou ficar sempre do seu lado
Pra ver você tentar viver
Se quiser vou te buscar
(Ela-Izi)

Sábado era sem dúvida um dos meus dias favoritos. Eu aproveitava para acordar um pouco mais tarde, mas nem sempre isso dava certo, principalmente quando Bianca aparecia. Agora, morando aqui em casa, acordar a tia Isa tinha se tornado lei. Eu estava deitada no meu soninho fofinho quando senti que alguém me vigiava. Quando abri os olhos vi uma princesinha me encarando, Bianca que tinha o cabelo castanho escuro com lindos cachinhos olhava para mim com aquele ar de inocência.

-Bom dia, tia Isa! –Ela sorriu.

-Bom dia, princesinha. –Eu bocejei.

-Tia Isa, eu não acredito que você esqueceu?

-Esqueci o que?

-Do nosso passeio –Ela ficou triste.

-Ei, eu não esqueci. –Na verdade eu tinha esquecido. –O que você acha de fazermos algo diferente?

-Tipo o que?

-Ir ao salão de beleza para cuidarmos das nossas unhas, depois passar maquiagem da tia Isa. –Eu esperava que ela realmente gostasse.

-Depois podemos brincar de boneca no jardim? –Seus olhinhos brilhavam.

-Claro, Bi. –Meu Deus, eu tinha 20 anos e passaria meu sábado brincando de boneca. Realmente eu amava aquela menina. –Mas antes temos que tomar café da manhã.

-Eu já tomei. –Ela disse rapidamente.

-Mas eu não. –Eu fiz cosquinha nela.

Depois de me trocar eu segui para a cozinha, lá encontrei a família inteira reunida, ou seja, meu pai, minha mãe, meu irmão e Letícia com os gêmeos (é claro na sua barriga).

-Bom dia, família. –Eu falei de bom humor.

-Bom dia, Isa, a Bianca te acordou né? –Perguntou Caio.

-Acordou sim. Fizemos nossa programação para hoje.

-Dá uma dor no meu coração ver a minha filhinha querendo sair, mas por causa desse barrigão eu não posso. –Lamentou Letícia.

-Não se preocupa Letícia. Eu amo ficar com a Bianquinha.

-Para onde vocês vão? –Perguntou meu pai, seu Guilherme.

-Vamos ao salão de beleza, depois vamos nos maquiar e por último brincaremos de boneca no jardim.

-Eu vou preparar o bolo favorito dela. –Disse minha mãe, dona Elena.

-E eu vou pedir que ela me maquie. –Falou Letícia.

-Eu vou arrumar o jardim para vocês brincarem. –Disse meu pai.

-E eu vou levar e buscar vocês no salão de beleza. –Finalizou meu irmão.

Não sei o que deu em mim, mas aquilo me fez ficar emocionada. Todos estavam dispostos a participar do dia da Bianca.

-Vocês formam a melhor família que alguém pode ter.

Depois daquele momento agradável, eu e Bianca fomos ao salão. Escolhemos pintar as unhas de verde, eu adorava aquele tom mais clarinho. Ao chegar em casa fomos recepcionadas pela minha mãe. Ela tinha feito bolo de chocolate, com direito a cobertura de chocolate e M&M. Aquele bolo acabaria com a minha dieta.

Depois de comermos chegou a hora de nos maquiarmos. Bianca ficou feliz da vida em maquiar a mãe. Para terminar o dia fomos para o jardim, Letícia estava se sentindo bem, então resolveu nos acompanhar. Até minha mãe decidiu brincar. Ríamos bastante quando o meu celular tocou. Era a Cecília.

-Oi, Cecília.

-Isa, você tem planos para amanhã?

-Sim.

-Qual?

-É jogo do Vasco contra o Flamengo e é óbvio que eu não vou deixar de ver o meu Vascão jogar.

-Isa, você precisa assistir esse jogo com a gente. –Ela falou sem rodeios.

Assistir ao jogo do Vasco principalmente contra o seu arquirrival, eu não veria isso com outras pessoas. Todos sabiam disso.

-Por favor, Isa. Eu imploro. –Ela estava praticamente chorando.

-Cecília, eu não gosto de ver jogo com ninguém.

-Mas você me ama, Isa. –Ela estava suplicando. –Por favor!

-Por que eu tenho que ir?

-O Vini me convidou, e a Marcela disse que só vai se você for.

-Só terá urubu, eu não vou me sentir bem.

-Isa, ninguém te fará mal. Vamos, por favor!

Eu pensei, pensei e pensei: o que custava ir? Além disso, meu time estava super bem, eu não tinha o que temer.

-Está bem dona Cecília.

-Isa, eu te amo tanto. –Ela deveria estar dando pulos de alegria.

-O que eu não faço pelas minhas amigas. –Eu falei. –Só que terá uma condição.

-Qual?

-Eu quero ser a madrinha do casamento. –Nós duas começamos a rir.

-Você será.


Se você chegou agora no blog, aconselho a começar a lê o livro pelo início ( claro! kkkkk) Segue os links:

CAP.1         CAP.2        CAP.3

Samila Bezerra
Samila Bezerra

Estudante de Arquitetura na Universidade Federal de Alagoas, é apaixonada por livros e quer conhecer o mundo…

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *