ENTRE O ATRASO E A VIDA: O EU QUE HABITO.

                 É estranho o quem um atraso pode fazer em nossa vida, por exemplo, hoje eu me atrasei para o trabalho e resultou nesse texto.

            Hoje de amanhã, quando percebi que me acordei com vinte minutos de atraso e ainda faltava: levantar da cama, tomar banho, arrumar a bolsa, escovar os dentes e fazer a barba. Sai como um louco desesperado. Fiz tudo que precisava fazer e deixe por último a barba. Foi uma ótima escolha, pois já tinha esquecido muitas coisas que refleti em um passar da lamina. Eu passei o barbeador tão rápido que em um relance me venho mil coisas na mente, por exemplo, como eu cresci!
            Lembro-me que ainda pouco eu tinha o maior cuidado com o barbeador, sempre me imaginava cortando a veia e isso era algo que eu não queria. Mas nessa manhã um atraso me mostrou que agora aquele menino que tava aprendendo sozinho a como se barbear já tinha ficado pra traz e não teve a preocupação de dar ao menos um adeus, simplesmente foi. Foi uma manhã nostalgicamente estranha.
            Foi passando as horas e comecei a pensar em quem tinha me tornado, ainda não sei como me tornei quem sou, e a única certeza é que a vida, juntamente com nossas escolhas, molda quem somos hoje. Eu agora tenho certeza que ninguém escolhe amadurecer, simplesmente acontece.
            Quando eu era menor lembro que respondia a todos de forma, na maioria das vezes, grosseira. Não confiava em ninguém. Na minha rua meus amigos me chamavam de “o rei da ignorância”. E onde esse menino está agora? De uma coisa eu sei, ainda sinto alguns vestígios desse garoto em mim. E talvez isso aconteça com todo mundo, de repente some um “eu” e aparecem outros “eu”. Mas nunca morrem de fato.
            Acho que a grande questão desse texto é entender quem somos e como nos tornamos quem somos – Não que eu saiba responder essa questão.
            Chega uma hora que você começa a perceber que seus sonhos mudaram, sua perspectiva de mundo não é a mesma de antes, e que você pensa agora de outra forma nova e inusitada, mas que você se agrada.
            Eu não sei explicar, mas entendendo que somos o que somos, e somos o que somos porque queremos ser, e também somos o que não queremos ser. Porque não importa quem você seja ou seu modo de falar e de andar, pois no final de tudo o importante é ser você. Com erros ou acertos, com linhas ou círculos. O importante é ser você bem assim do jeitinho que você é. E ainda que alguns não se agradem, o importante é que Deus sabe o teu valor.
Alef Jordi
Alef Jordi

Estudante de Letras, criador do blog Qualquer Coisa Vira-lata, Potterhead assumido e um sonhador sem limites. Sonha em publicar um livro antes dos 30. E ama promover ações sociais.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *