UM SER NÃO HOSPEDEIRO

        Eu estava pensando nesta última semana sobre o que escreveria no blog, e olhando alguns comentários  no Facebook, eu percebi o quanto as pessoas estão necessitadas de aprovação e/ou o quanto as pessoas não conseguem se valorizar. Sinceramente essa sempre foi uma ‘doença’ que eu sempre tive medo, a necessidade de mostrar qualidades, conteúdos que as pessoas querem ver. De ser um produto e não um ser sujeito a erros, acertos e sujeito a mudar de opiniões.
        Mudar de opinião pra mim nunca foi algo que me transformasse em um indeciso, ou um falso ou um sei lá. As nossas opiniões estão sujeitas ao contexto que nos encontramos e da forma que sentimos aquele momento.  É também verdade que algumas de nossas opiniões nunca irão mudar.


        É necessário que você pratique o amor próprio. Muitas vezes vejo alguns amigos que parecem gostar de sofrer, parecem gostar de se autocriticar. Se julgam de forma inútil e não atuam para mudança alguma. Vivem lembrando do quão perdedor são, de quão pobre são e de todas as dificuldades. Ah!, sou isso. Ah! Eu sou aquilo. E acredito que na verdade eles suplicam por atenção, fazem com que as pessoa sintam pena para que assim sintam-se valorizados. E não importa o quanto você tenha que lutar, a vida não é e nunca foi fácil pra ninguém. Nem para os mais ricos e muito menos  para os mais pobres. 

        Nada do que eu consegui na minha vida foi me menosprezando. E sim, buscando a creditar em meu potencial. E olha que em minha pouca idade eu já passei por maus bocados. E se ainda não me restasse acreditar em que eu sou, poxa! Seria bem mais difícil. 

E como diz Tati “se olharmos no espelho, encontraremos quem realmente pode nos fazer feliz”
 “Hoje eu acordei numa casa diferente, num quarto diferente, sem nenhuma muleta, sem nenhuma maquiagem, meus amigos estão ocupados, meus pais não podem sofrer por mim. Hoje eu acordei sem nada no estômago, sem nada no coração, sem ter para onde correr, sem colo, sem peito, sem ter onde encostar, sem ter quem culpar. Hoje eu acordei sem ter quem amar, mas aí eu olhei no espelho e vi, pela primeira vez na vida, a única pessoa que pode realmente me fazer feliz.” – Tati Bernardi

Alef Jordi
Alef Jordi

Estudante de Letras, criador do blog Qualquer Coisa Vira-lata, Potterhead assumido e um sonhador sem limites. Sonha em publicar um livro antes dos 30. E ama promover ações sociais.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *